Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

projects ISSN 2595-4245


abstracts

português
O escritório Estúdio 41 Arquitetura, de Curitiba, foi o vencedor do Concurso CCEE para a cidade de Cabo Frio, seguido por Eder Rodrigues de Alencar, do ARQBR Arquitetura e Urbanismo Eireli, e de Edvan Isac Santos Filho, do Maia Melo Engenharia.

how to quote

PORTAL VITRUVIUS. Centro Cultural de Eventos e Exposições - Cabo Frio. Estúdio 41, ARQBR Arquitetura e Urbanismo e Maia Melo Engenharia. Projetos, São Paulo, ano 14, n. 159.03, Vitruvius, mar. 2014 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/14.159/5101>.


Cabo Frio e a concepção

Paisagens naturais praianas em tons pastéis que passeiam do branco, bege, ocre e terra das areias, do verde oliva das vegetações de mangue, dos verdes em tons azulados do mar e dos azuis do céu apresentam uma paleta de cores inconfundível a ser explorada. Tudo lembra água. A vastidão de canais naturais e projetados interliga e permite a conectividade fluvial de todo seu território. A vocação turística e a demanda existente e crescente por eventos completam os vetores a serem seguidos no desenvolvimento da proposta para o Centro de Convenções, Exposição e Eventos. O projeto do Centro Cultural de Eventos e Exposições de Cabo Frio, o CCEE, parte da constatação de que arquitetura e paisagem devam ser pensadas de forma indissociável, harmônica e homogênea. Indissociável, pois há o estudo, respeito e entendimento do sítio e seus condicionantes; Harmônica, pois a paisagem e o sítio são pré-existentes; Homogênea, pois a arquitetura pode e deve se apropriar do seu entorno. A permeabilidade visual, a simplicidade volumétrica e o edifício como mirante, foram os pontos perseguidos na proposta do CCEE.

A flexibilidade x simultaneidade

O projeto foi concebido com o objetivo de atender a usos já existentes na cidade, assim o espaço projetado pretende comportar desde pequenas feiras até grandes shows. Pavilhão multiuso, auditório e salas de reunião foram pensados de forma a permitir diversas configurações de uso simultâneo, somando-se ou dividindo-se espaços.

O paisagismo

O diálogo entre a edificação e a paisagem, será fortalecido pela diversidade dos usos que compõem o projeto. Associando edificação e espaço livre público ora através de porções ajardinadas em recortes do piso, ora com mini bosques arborizados ou mesmo ao evidenciar áreas de mangue remanescentes do local. A escolha das espécies respeita a fitogeografia da área através utilização preferencial das composições entre as diferentes espécies típicas do bioma de restinga, compondo um paisagismo com variedade de extratos, texturas e cores ao que convém o “direcionamento do olhar” do observador, dentro ou fora do edifício.

A estrutura

Para permitir todas as intenções projetuais desejadas em um centro de convenções - flexibilidade, permeabilidade e fluidez espacial - a modulação estrutural adotada foi de 20 x 25 metros e solucionada em sua totalidade por pilares e vigas metálicas. As lajes do primeiro e segundo pavimentos são em sistema steel deck, apoiadas em vigas menores que por sua vez se apoiam em vigas perfilares principais. A estrutura da coberta é solucionada com treliças metálicas planas, onde se apoiam a cobertura, calhas, forros e todos os sistemas que percorrem o entre forro.

O conforto térmico

Nas fachadas voltadas para Leste e Oeste, em toda a extensão do bloco superior foi disposta  estrutura metálica afastada 2,5m da fachada do edifício. Sobre a estrutura metálica, placas de ETFE (Etileno Tetrafluoretileno) seguem a modulação da estrutura e fazem função de brise soleil. As placas foram pensadas com perfuração que propiciam momentos de maior penetração da luz ou hora mais fechadas, criando na fachada um desenho orgânico que se aproxima ao desenho de bolhas de água, ou da espuma do mar. O material e sua perfuração fazem com que a fachada da edificação alterne entre o branco com a percepção da textura dos furos durante o dia, e a leve transparência durante a noite, evidenciando o perfil interno da edificação.

ficha técnica

arquiteto responsável
Arq. Isac Filho

coautores
Arq. Murilo Medeiros
Arq. Ana Terra Xavier
Arq. Juliana Rabello
Arq. Vanessa Carvalho
Arq. Gisele Amorim
Arq. Isabelle Ramos

drenagem
Eng. civil Jose Angel Sola Arbeloa

geotecnia, Topografia e Cartografia
Eng. civil Glauber Carvalho

acessos e geometria viária
Arq. Marco Caminha Jr

paisagismo
Arq. Gisele Amorim

source

comments

159.03 concurso
abstracts
how to quote

languages

original: português

source

share

159

159.01 equipamento público

Centro Paula Souza

Francisco Spadoni

159.02 crítica

Concursos de arquitetura: um impasse jurídico

Fabiano Sobreira

159.04 concurso

Centro Cultural de Eventos e Exposições - Nova Friburgo

159.05 concurso

Concurso Centro Cultural de Eventos e Exposições - Paraty

159.06 crítica

A caixa como solução única

Marco Milazzo

159.07 obra

Pitanga do Amparo

Edite Galote Carranza and Ricardo Carranza

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided