Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

how to quote

PORTAL VITRUVIUS. Zevi e Rykwert: messianismo, misticismo e paixão arquitetônica. Resenhas Online, São Paulo, ano 02, n. 016.03, Vitruvius, abr. 2003 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/02.016/3216>.


Neste convulso e dramático início do século XXI, a Editora Perspectiva publicou dois livros de autores de tendências divergentes na visão e interpretação da arquitetura; mas ao mesmo tempo unidos pela procura das raízes, do ancestral, do originário da nossa cultura, da nossa sociedade, da nossa história, com o objetivo de ajudar a compreender e resolver as incógnitas deste presente incerto e o de um futuro imprevisível. Presos nas estruturas duais de um pensamento obsoleto; nós estamos submetidos á “unidimensionalidade” política do Império – tão questionada por Herbert Marcuse – em um momento em que deveriam desaparecer as contradições radicais com a crise dos grandes sistemas ideológicos, e começar uma época de articulações e nuances entre similitudes e diferenças (Jacques Derrida); de rizomas e multiplicidades (Gilles Deleuze e Félix Guattari). Voltamos á antítese do bem e o mal; de Deus e o Diabo. A harmonia entre os deuses foi extinta: Cristo se contrapõe a Allah; Bush proclama a validade do Evangelho – God Bless América –; Saddam Hussein recita o Corão. Uns matam em nome do cristianismo e da civilização ocidental; os outros se suicidam para defender o islamismo. Eles imaginam que as guerras “santas” são um mal necessário para chegar mais rápido ao Paraíso. No entanto, a dúvida persiste: será que Deus e o Paraíso existem em outras vidas ou em outros mundos?

Zevi e Ryckwert também foram vitimas da incompreensão e da perseguição racial e religiosa: o primeiro teve que sair da Itália de Mussolini para os Estados Unidos em 1940; o segundo, em 1939, fugiu da Polônia invadida pelos nazistas para a Inglaterra. Marcados pela Diáspora e pela herança Mosaica que, desde a saída do povo judaico do Egito, inspira a luta contra a injustiça e a repressão, e pela liberdade de expressão individual; eles encontraram na história da arquitetura –  “seduzidos pela memória”, segundo Andreas Huyssen – o caminho para desenvolver apaixonadamente, na pesquisa, na crítica e na ação projetual, um instrumento de luta que orientasse os profissionais na elaboração de soluções urbanísticas e arquitetônicas, apropriadas para o desenvolvimento harmônico da vida social. É admirável o otimismo no gênero humano que se evidencia nos textos escritos ao longo da segunda metade do século XX, definindo duas posições contrapostas na historiografia deste período. Zevi, desde os anos quarenta defendendo como um bersagliere os conteúdos orgânicos e expressionistas do Movimento Moderno – assumindo como modelos Wright e Mendelsohn, e evitando sempre utilizar a palavra “estilo” –; Rykwert, tentando de manter viva a chama do Iluminismo e da tradição clássica, desde a antiga Grécia até os mestres do Neoclassicismo, que ele define como os “primeiros modernos”.

Os dois livros tratam de temas diferentes: o primeiro, é uma seleção de artigos escritos por Zevi para estabelecer os conteúdos conceituais e filosóficos da arquitetura atual relacionados com o pensamento judaico; e exemplificados na obra de Erich Mendelsohn, considerado como o principal arquiteto do século XX, e síntese da identidade cultural dos judeus assentados em Israel. O outro, é um profundo e sofisticado estudo sobre as origens da arquitetura, associados com a imagem, interpretação e difusão do protótipo da cabana primitiva. O que estes textos têm em comum? Inicialmente, o abandono dos grandes ciclos históricos e o estudo de casos específicos em profundidade, para extrair daí a interpretação de fenômenos mais abrangentes e generalizáveis: é a implementação da “micro-história” definida por Carlo Ginszburg. Além disso, a procura da complexa significação da arquitetura, nas suas múltiplas dimensões como assinala Josep Maria Montaner – política, cultural, arqueológica, antropológica, sociológica, artística, literária, psicanalítica e religiosa – , para encontrar a essência e os conteúdos éticos e morais da produção contemporânea, coincidentes com as necessidades e aspirações sociais; o que não coincide com a realidade ambiental do mundo contemporâneo, tão dominada por modismos, desperdícios, excessos e a hipocrisia dos profissionais, voltados ao serviço do grande capital e das vantagens econômicas, como acontece com alguns dos “mestres” da arquitetura moderna: Rem Koolhaas, por exemplo, representaria o padrão do cinismo vigente e dos valores opostos às teses de Zevi e Rykwert.

Os dois livros foram escritos muito antes dos acontecimentos que marcaram o fim e o início do século XXI: a queda do Muro de Berlim, o atentado ao WTC em 11 de setembro de 2001, e as guerras de Afeganistão e Iraque. Ou seja, não contêm a visão pessimista que se poderia ter hoje. Zevi, defende euforicamente o surgimento do “deconstrutivismo”, identificado com as obras de arquitetos judeus – Daniel Libeskind, Frank Gehry, Richard Meier e Peter Eisenman –, como um resgate renovado dos princípios de liberdade formal e espacial dos pioneiros do Movimento Moderno; em contraposição ao “decadente” pós-modernismo, que ele agressivamente identifica na figura de Paolo Portoghesi. Rykwert tem esperanças no futuro próximo, com as iniciativas progressistas que enumera no último capítulo do recente livro The Seduction of Place. The City in the Twenty-First Century. Ou seja, que o mergulho deles na história e na memória, não é um retórico exercício acadêmico, mais um resgate de mitos e ritos, que ainda estão presentes na cultura social moderna. Quando se fala da “história como amiga” – parafraseando Louis Kahn –, é justamente com o desejo de olhar o passado a partir do nosso presente; contudo, Zevi e Rykwert, segundo o historiador grego Panayotis Tournikiotis, o assumem com uma atitude diferente: para o primeiro, as fontes são procuradas como catarse e demonstração de uma verdade assumida e messianica: a evolução do espaço arquitetônico se identifica com a luta pela liberdade criativa dos iconoclastas ou inconformistas contra a repressão da academia, que culmina no movimento orgânico de Wright, agora resgatado pelo deconstrutivismo. Por outro lado, Rykwert não propõe um modelo, mas demonstra – seguindo os passos de Ernst Cassirer, Erwin Panofsky, Rudolf Wittkower e Christian Norberg Schulz – que o homem é um animal simbólico, e que este universo semântico de signos existe como componente referencial para as obras ou cidades construídas na atualidade. Sua visão “metamoderna” descobre os enunciados estéticos, religiosos ou ideológicos vigentes desde as fundações dos primeiros assentamentos gregos e romanos até o racionalismo do século XX, caracterizando os conteúdos simbólicos profundos determinantes da densidade da linguagem artística que se desenvolveu com o classicismo, onde a linha reta não se contrapõe á decoração. O rigor e o ascetismo desta tradição aparece nas obras de Aldo Rossi, Giorgio Grassi e no recente resgate da cabana primitiva na casa Rudin de Herzog & De Meuron em França, e na Zachary House de Stephen Atkinson em Louisiana, Estados Unidos.

Não tenho notícia se eles tiveram um relacionamento pessoal. Estiveram ao mesmo tempo em Londres no início dos anos quarenta sob os bombardeios alemães dos foguetes V1. Zevi, com 25 anos, segundo o testemunho de Andréa Oppenheimer, em vez de descer ao refúgio de noite, escrevia o primeiro livro Verso una architettura organica, publicado na Itália em 1945. Rykwert, com 18 anos, começava os estudos de arquitetura na Bartlett School. Posteriormente, ele passou um período em Roma, onde conheceu Roberto Calasso que propôs a escritura da “Casa de Adão”. Poderia ter encontrado Zevi no final dos anos sessenta. Mas as posições diferentes que sustentaram, no campo das suposições, os distanciavam nas afinidades pessoais. No pequeno texto Architettura. Concetti di uma Controstoria, Zevi dedica um parágrafo a Rykwert, com o título Ritorno alle origini in architettura. Mas no recente livro de Rykwert. sobre as cidades no mundo atual, publicado no ano 2000, Zevi não aparece citado. Além das diferenças existentes na visão da arquitetura, eram duas personalidades bem opostas. Rykwert, é um professor e pesquisador canônico do Primeiro Mundo, totalmente dedicado à academia, primeiro na Inglaterra, e desde 1988, na Universidade de Pennsylvania. Os seus escritos expressam a sua seriedade, e a “fleuma” inglesa, sem a tradição humorística polonesa, de W. Gombrowitz  e de J. S. Mrozek, que líamos com paixão em Cuba, pelas criticas ao stalinismo. Com exceção do recente ensaio, mais voltado para um público geral; os seus textos são de grande erudição e não de fácil leitura.

É provável que a vida sofrida de Zevi ao longo do século XX – a Segunda Guerra Mundial; o drama do Holocausto; a perda das ilusões no socialismo europeu com o stalinismo russo que também perseguiu os judeus; e a corrupção dos políticos italianos – ; o tenha levado à postura agressiva e polémica que sempre exibia, além de um caráter efusivo, expansivo e apaixonado, quase garibaldino. Primeiramente, na Itália, se posicionou contra Mussolini e o fascismo, num momento em que ainda não ficava clara a posição de muitos arquitetos modernos que apoiavam o regime. Zevi compreendeu de imediato o caráter totalitário e anti-semita do fascismo, e o apoio ao monumentalismo de Piacentini. Instalado em Harvard, no curso de pós-graduação dirigido por Gropius, entrou em contradição com os métodos de ensino e criticou o Mestre. Tinha como colega Philip Johnson, com quem susteve acaloradas brigas. A sua defesa apaixonada de Wright levou-o a criticar duramente a arquitetura das  “caixas brancas”. Voltando à Itália todo o seu esforço foi dedicado à difusão dos princípios da arquitetura orgânica, como único caminho possível para superar a rigidez geométrica do Racionalismo, integrando o movimento norte-americano com as realizações do expressionismo alemão. Na sua “contra-história” demonstrou o quão esquemáticos eram os princípios da Carta de Atenas e do CIAM – percepção que também teve Rykwert no seu período de estudante em Londres –, valorizando os movimentos marginais e os arquitetos que não faziam parte do “jet set” racionalista: Gunnard Asplund, Alvar Aalto, Erich Mendelsohn, e alguns da vanguarda italiana: Sant´Elia, Pérsico e Pagano. Uma visão alternativa da historia canônica que culmina com as sete categorias que ele estabelece como fundamentação da arquitetura moderna.

Para nós que estudamos arquitetura na segunda metade do século XX, Zevi foi um “guru” intelectual. Todos os estudantes de arquitetura na América Latina, leram Saper vedere l´architettura, que nos entusiasmava com uma visão original, inovadora e criativa da história; que nada tinha em comum com os tediosos Fletcher, Choisy, ou o mais recente Pevsner. Ainda que sem concordar totalmente com a sua identificação irrestrita ao movimento orgânico e com Wright – pouco compreendido no contexto latino-americano –, suas interpretações dos mestres clássicos, eram sempre inéditas e insólitas: compreendemos as contribuições “anticlássicas”  de Brunelleschi, de Miguel Angelo, de Borromini, de Guarino Guarini. A revista L´Architettura. Cronache e Storia, foi lida avidamente, em particular com grande interesse pelos desenhos de obras e de arquitetos pouco conhecidos que apresentava. Mas, a visão de Zevi era muito restrita, valorizando obras italianas de duvidosa significação cultural, e com um tratamento gráfica pouco atraente, e progressivamente perdeu interesse. Mas o que foi admirável em Zevi, era o seu compromisso político – foi deputado pelo Partido Radical no Parlamento italiano –, e o seu desejo de criar uma cultura arquitetônica popular. Por anos fui leitor da coluna que manteve no L´Espresso, e que a cada semana explicava ou criticava os acontecimentos da arquitetura e do urbanismo no mundo, sempre com uma visão polêmica, tentando chegar à um público não especializado, para sensibilizá-lo com os graves problemas da realidade “ambiental” no mundo. O estilo jornalístico de alguns destes artigos estão presentes neste livro publicado pela Perspectiva.

Em resumo, os dois estudos guardam semelhanças e diferenças. São a expressão da seriedade e vocação pela história de dois dos mais importantes pesquisadores e críticos da segunda metade do século XX. As teses que Rykwert demonstra ao longo do ensaio, com a sua profundidade e erudição, são dificilmente questionáveis. Não é o mesmo com Zevi, que com a sua exuberância e veemência, assume posturas sem nuances. É possível admitir que exista uma expressão espaço-temporal que tenha alguma conexão com a cultura judaica; mas que o deconstrutivismo seja uma conseqüência desta cultura só porque participam do movimento alguns arquitetos judeus, constitui uma visão limitada, dificilmente aceitável: Zaha Hadid, Bernard Tchumi, Rem Koolhaas, os grupos holandeses: MVRDV e Mecanoo, Van Berkel e Bos, Coop Himmelblau, Maximiliano Fuksas e outros, utilizam a mesma linguagem, e não têm nada em comum com a cultura judaica. É a expressão de uma contemporaneidade que se define por múltiplos fatores – culturais, tecnológicos, sociais e econômicos –, que predominam nos países desenvolvidos. E Erich Mendelsohn, sem dúvida teve uma importância essencial no início do Movimento Moderno, nem sempre aceita no contexto europeu daqueles anos como bem explica Zevi, mas as obras realizadas na Inglaterra, Estados Unidos e Israel, não possuem a mesma originalidade e o caráter inovador que tiveram as construídas nos anos trinta na Alemanha. Sem falar dos desenhos realizados no período da Primeira Guerra Mundial, que marcaram o desenvolvimento da linguagem expressionista até hoje.

Não seria justo fechar esta nota sem uma referência à editora Perspectiva, e ao seu diretor Jacó Guinsburg e ao equipe de trabalho, neste caso dirigida pela engenheira Anat Falbel, que teve a responsabilidade da edição dos dois livros, com a colaboração de Mário H.S. D´Agostino no caso da Casa de Adão no Paraíso. Nestes tempos de TV, Multimídias, CD-Roms, acreditar na leitura apaixonada de livros especializados como estes, por arquitetos e estudantes, pode até parecer uma ilusão, para não dizer uma aspiração utópica. Guinsburg é um otimista, e um grande lutador pela cultura brasileira. Os mais de 700 títulos publicados ao longo de quase quarenta anos nas duas coleções “Debates” e “Estudos”, constituem um acervo indispensável para os intelectuais, estudantes, pesquisadores e profissionais que trabalham nos diferentes campos da cultura no Brasil. Seu apoio aos temas de design, arquitetura e urbanismo, abriu o caminho que posteriormente trilharam outras editoras como a Martins Fontes e a persistente Carla Milano da Editora Nobel. Os principais pensadores, filósofos, críticos e historiadores da arte e da arquitetura universal; assim como os especialistas  brasileiros, têm algum livro editado pela Perspectiva. Estes dois novos volumes, se somam a esta longa série de títulos inesquecíveis sobre a arquitetura mundial.

[leia também "Arquitetura e judaísmo: Mendelsohn", de Vittorio Corinaldi, sobre o livro de Bruno Zevi e "Aurora paradisíaca do homem e da arquitetura", de Mário H. S. D'Agostino, sobre o livro de Joseph Rykwert]

sobre o autor

Roberto Segre, arquiteto e crítico de arquitetura, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde é atual coordenador do PROURB

comments

resenha dos livros

A casa de Adão no paraíso

A casa de Adão no paraíso

Joseph Rykwert

2009

Arquitetura e judaísmo

Arquitetura e judaísmo

Mendelsohn

Bruno Zevi

2002

016.03
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

016

016.01

Paradoxos revisitados

Antônio Agenor Barbosa

016.02

A descoberta de uma geração perdida

Andrés Martín Passaro

016.04

Lições de um mestre da arquitetura

Antônio Agenor Barbosa

016.05

Arquitetura e judaísmo: Mendelsohn

Vittorio Corinaldi

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided