Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

português
Otília Arantes expõe o fenômeno do urbanismo de espetáculo, superdimensionado e de máxima visibilidade, que deturpa o modo de fazer arquitetura e transforma a cidade em um parque temático

how to quote

MARICATO, Erminia. Megaeventos. O arrastão empresarial urbano na escrita elegante de Otilia Arantes. Resenhas Online, São Paulo, ano 11, n. 130.01, Vitruvius, out. 2012 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/11.130/4554>.


Revitalização, reabilitação, revalorização, requalificação, reforma, não importa o nome que é dado ao processo que reúne capitais internacionais que se “especializaram” em uma certa arquitetura, associada a um certo urbanismo do espetáculo, superdimensionado, de máxima visibilidade, utilizando como álibi megaeventos esportivos, artísticos, tecnológicos  ou culturais. Otília Arantes assim descreve esse fenômeno: “vive-se à espreita de ocasiões... para fazer negócios! Sendo que o que está a venda é um produto inédito, a própria cidade”.

Frequentemente as mesmas instituições financeiras, as mesmas mega-construtoras e incorporadoras, os mesmos arquitetos do star system, promovem um arrastão empresarial para garantir certas características a um pedaço da cidade, convertendo-o, no mais das vezes, a um parque temático. Endividamento, especulação imobiliária e gentrificação são marcas que acompanham essas transformações onerosas, embora venham comumente acompanhadas de promessas de incontáveis virtudes.

Museu de Arte Contemporânea de Barcelona. Arquiteto Richard Meyer
Foto Abilio Guerra

O planejamento urbano foi transformado no seu avesso pelas chamadas máquinas de crescimento urbano, e, ao invés de resolver os problemas das cidades, empenha-se em facilitar a construção de projetos faraônicos, verdadeiros “elefantes brancos”, que constituirão pesada herança destinada a ser, no futuro, apenas um fardo. Esse planejamento, por isto mesmo chamado “estratégico”, nasceu sob a marca das parcerias público-privadas e sobre as ruínas do Estado Providência.

Otília, autora reconhecida no manejo hábil da palavra escrita, de texto elegante e erudição inquestionável, analisa aqui os casos de Barcelona e Berlim. No entanto os leitores poderão perceber na descrição dessas intervenções urbanas, guardadas as especificidades,  alguma premonição a respeito do que pode vir a ocorrer nas cidades do Brasil, por ocasião da Copa do Mundo de Futebol de 2014, ou das Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro.

Novo edifício na Potsdamer Platz, Berlim
Foto Betânia Cavalcanti

nota

NE
O presente texto foi publicado originalmente na “orelha” do livro de Otília Arantes.

sobre a autora

Erminia Maricato é arquiteta, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, foi coordenadora do programa de pós-graduação (1998-2002), secretária de Habitação de São Paulo (1989-1992) e secretária-executiva do Ministério das Cidades (2003-2005).

comments

resenha do livro

Berlim e Barcelona

Berlim e Barcelona

Duas imagens estratégicas

Otília Beatriz Fiori Arantes

2012

130.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

130

130.02

A ONU também trata do urbano

A ação do UN-Habitat nos anos recentes

Aldo Paviani

130.03

Metamorfoses

As morfologias nômades e domesticadas buscadas por Igor Guatelli

Chris Younès

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided