Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

português
José Roberto Fernandes Castilho comenta dois textos de Luigi Pirandello, a peça “Assim é (se lhe parece)”e o conto “A senhora Frola e o senhor Ponza, seu genro”, origem da obra teatral.

how to quote

CASTILHO, José Roberto Fernandes. Arquitetura que separa. (Assim é se lhe parece). Resenhas Online, São Paulo, ano 19, n. 227.01, Vitruvius, nov. 2020 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/19.227/7937>.


“Pirandellismo, aquela espécie de furor delirante e lúcido”
Alberto Moravia, O homem como fim

Há clássicos da literatura universal que refletem sobre todos os dramas humanos, como a vingança (Hamlet), o ciúme (Dom Casmurro), o desejo incontrolável de ascensão social (O vermelho e o negro) etc. Na academia – como já fiz –, pode-se usar a Antígone para discutir, no direito, a relação entre direito natural e direito positivo; na ciência ambiental, Um inimigo do povo, de Ibsen, para analisar o papel social do ambientalista; um pequeno texto de Borges em Ficções (“Do rigor na ciência”) para refletir sobre as escalas geográficas que, quando equivocadas, fazem com que a carta seja abandonada “às inclemências do sol e dos invernos” etc.

Sobre as fake news ou os factóides políticos – que começam a inundar as redes sociais em ano de eleição – também há uma obra literária fundamental, que parece não ser muito lida hoje, o que é uma pena. Trata-se da peça do escritor italiano Luigi Pirandello (1867-1936) chamada Assim é (se lhe parece) (1) que discute verdade e aparência, mas, sobretudo, a interpretação subjetiva de fatos e a tirania da curiosidade pública sobre a intimidade alheia.

O autor classifica a peça de como “parábola”. Encenada algumas vezes no Brasil (inclusive na fase áurea do TBC, em 1953, com Paulo Autran e Cleyde Yáconis), a peça estreou em Milão no ano de 1917, portanto no final da Grande Guerra na qual lutaram os dois filhos de Pirandello. Mostrando o sucesso do texto, a primeira montagem brasileira é de 1924, com o título (ótimo) de “Pois é isso...”, montagem feita pela Companhia de Jaime Costa, a que o autor assistiu, no Rio, em 1927. O autor gostou da montagem, mas desgostou dos direitos autorais que recebeu por ela, o que logo tratou de verificar. A tradução foi de Paulo Gonçalves. Baseia-se num pequeno conto do próprio Pirandello, escrito pouco antes da peça (“A senhora Frola e o senhor Ponza, seu genro”), e a história, em resumo, representa o embate entre sogra e genro entre si e com a comunidade provinciana para onde se mudam a respeito da reclusa filha e esposa, que podem ser a mesma pessoa – ou não (2).

No conto, a esposa nem aparece, mas na peça surge apenas no final do terceiro e último ato – sempre em luto fechado e com um véu cobrindo-lhe o rosto (que não se vê) – numa cena tremenda porque ela dirá, numa única linha, um sentido possível daquilo tudo pouco antes do pano cair. Representará na peça a própria verdade e, portanto, nunca mostrará a face e daí a necessidade do “véu espesso e impenetrável sobre o rosto”, como indica a rubrica de Pirandello.

A história é a seguinte: para certa cidade do interior muda-se o novo secretário municipal, que vai instalar-se com a esposa num edifício situado nos limites da cidade enquanto sua sogra é acomodada num apartamento central. São eles o senhor Ponzo e a senhora Frola, gente distinta, simpática e educada. Para o desenrolar verossímil da história, tanto no conto quanto na peça é dito que eles vieram de vilarejo que passou por um terremoto, ficou em ruínas e todos os registros de nascimento e óbito se perderam. Não há documentos, portanto, de seu passado. Não se sabe quem são aquelas pessoas e elas não têm parentes.

A população começa a achar estranha a longa distância entre a casa da mãe e da filha e o fato de o senhor Ponzo, muito atencioso, visitar todo dia sua sogra. Esta também visita a filha todo dia mas não sobe a longa escada do prédio, vendo-a apenas de longe. Isto decorre da arquitetura do apartamento onde o senhor Ponzo foi morar, num “bairro econômico”. No conto é dito que ele “alojou-se num edifício novo, na saída da cidade, chamado de ‘O Favo’. Lá mesmo. No último andar, um pequeno apartamento (“un quartierino”). Três janelas que dão para o campo, altas, tristes (pois aquela fachada, voltada para o poente, sobre hortas pálidas, apesar de nova, não se sabe por quê, tornou-se muito triste) e três janelas internas, do lado de cá, sobre o pátio, onde o corredor da área de serviço faz um L e se divide em divisórias gradeadas. Dos corredores pendem, lá em cima, vários cestos atados a um cordão, prontos para serem baixados a qualquer necessidade”.

Francesco Vassetti, Pulcinella tira o' Panaro – Il Pallonetto – Napoli
Imagem divulgação

Diz o conto que a senhora Frola, de duas a três vezes por dia entra no pátio, toca a campainha e logo a filha aparece lá em cima. A “mãe” pede que baixe a cestinha onde coloca um papel com as notícias do dia. Na peça, o apartamento ganha a seguinte descrição, mais sucinta: “Ele chega, aluga um apartamento no último andar daquela casona tétrica, lá, na periferia da cidade (“all’uscita del paese”), com vista para roça [...] Você viu o prédio? Tem um pátio interno – tão escuro – parece um poço, com uma grade de ferro de ponta a ponta da mureta do corredor do último andar, de onde os moradores baixam cestinhas vazias que sobem cheias de pães”. No cesto de vime onde se colocam pães, frutas e verduras, a Senhora Frola coloca mensagens à filha.

A mesma personagem, a jovem Dina, é que conta: “Essa pobre coitada entra no pátio, puxa a corda da cestinha de pão, fazendo a campainha tocar; a filha aparece lá em cima, e ela fala de lá de baixo, do fundo daquele poço, esticando o pescoço assim. Entende o tipo de coisa? Como se não bastasse, ela nem mesmo vê a filha, ofuscada pela luz que vem do alto”. Ou seja, a senhora não consegue nem falar e nem ver a filha em razão do sol. Porém todos os cidadãos veem que elas só se falam do pátio (“dal cortile”).

A ideia – com verossimilhança, mas não necessariamente verdadeira – é a de que a senhora Ponza está presa lá em cima e a suposta mãe está proibida de aproximar-se dela, como se um fantasma fosse. No entanto, a senhora Frola nega tal coisa, depois de confirmar que não sobe até o apartamento. “A minha filha aparece no balcão do corredor que dá para o pátio e nos vemos... nos falamos...” Há uma escada de noventa ou cem degraus a subir porque, obviamente, não havia elevador, o que também determina a existência do “paniere” (do latim panarium), ou seja, das cestas presas com cordas para serem puxadas. O “panaro” é um antigo costume do centro histórico napolitano (”Perdere Filippo e o’ panaro“, diz o ditado) e Pirandello também era do sul da Itália, nascido próximo a Agrigento, na Sicília.

Mas em face do esforço da escada, perturbada, embaraçada, ela mesmo vai se trair: “O que é uma escadaria de noventa ou mesmo cem degraus, para uma velha mãe, ainda que cansada, quando o prêmio por seu esforço é poder abraçar a própria filha lá em cima?” Este pensamento súbito, certamente, alimenta a desconfiança da população sobre o senhor Ponzo que mantém a esposa lá naquele “casone tetro”.

Inicia-se então o interrogatório popular porque os moradores estavam “sedentos de notícia”. O que acontecia ali? A senhora Frola, uma velhinha, de modo muito cortês e simpático, explica ao povo que o genro – um “jovem excepcional” – tem amor obsessivo, possessivo, por sua filha, afastando-a de todos, inclusive dos parentes. Já o senhor Ponzo revela, após saber da confissão da sogra, que a senhora Frola é completamente louca e que a filha dela, que fora sua primeira esposa, havia morrido muitos anos atrás, só que ela não admite isso e vive na ilusão de que a atual esposa dele é sua filha. Ambos falam que vivem muito bem à sua maneira e nada reclamam um do outro.

A cidade, então, começa a discutir de modo acalorado sobre quem é louco e quem é são, já que ambos – sogra e genro – são pessoas sensatas e racionais. Invadindo a privacidade do casal – contra o que se rebela o senhor Ponzo, que de imediato pede demissão do cargo diante da “inquisição feroz” de que é vítima –, a comunidade vai se inquietando ao extremo e resolve então chamar a própria filha e esposa, pivô de toda a trama, para que se manifeste. Esta, enigmática como um oráculo, aparece e vai dizer que é tanto filha da senhora Frola quanto segunda esposa do senhor Ponzo, ou seja, confirma a história de ambos que são, em princípio, contraditórias. Diz ainda que para si mesma é nenhuma e depois arremata, sem nunca mostrar seu rosto: “eu sou aquela que se crê que eu seja”. A chave da peça é essa frase: “Io sono colei che mi si crede”. E sai rápido de cena, abraçada à suposta mãe e ao suposto marido, acabando a peça.

É um final magnífico porque fecha e não fecha a história, deixando-a em aberto (como, aliás, ocorre em Dom Casmurro), trazendo novos elementos de interpretação: a esposa pode também estar mentindo, a causa da sua desventura já que todos se vestem de negro etc. Mas o que importa aos outros? É magnífico também porque permite a conclusão de que a verdade – que não se deixa ver jamais – é aquilo que as pessoas querem que ela seja. Ela não é fruto de uma razão universal e suprema, mas das circunstâncias pessoais de quem afirma. Pois é isso... “Eu sou eu e minha circunstância”, já dizia Ortega y Gasset.

Trata-se de texto muito atual que deveria ser leitura obrigatória em nossas faculdades para discutir a violação do direito à privacidade (a senhora Ponzo foi arrancada de casa à força para dar explicações, sem estar obrigada a isso, assim como a senhora Frola e o senhor Ponzo), a força das convenções sociais, o valor da prova testemunhal, e, na comunicação social, a ideologia da mídia e a checagem dos fatos. Neste sentido, cabe perguntar: ouvir o outro lado, como diz toda a imprensa para afirmar sua suposta imparcialidade, assegura mesmo o conhecimento da verdade? Quem ouve a versão da senhora Frola e do senhor Ponzo chega, por acaso, à verdade da história? Qual seria a verdade da história, que fica encoberta tal como, fisicamente, a senhora Ponzo? Onde, afinal, está o fantasma e onde a realidade? “Così è (se vi pare)”. O texto, intrigante porque aberto e enigmático, deveria ser lido e relido. Parece, entretanto, que a grande literatura passa muito longe de nossas universidades, com raras ou raríssimas exceções.

notas

1
PIRANDELLO, Luigi. Assim é (se lhe parece). Tradução de Sérgio N. Melo. Prefácio de Alcir Pécora. São Paulo, Tordesilhas, 2011. Edição em italiano: PIRANDELLO, Luigi. Liolà – Cosí è (se vi pare). 2ª edição. Roma, Mondadori, 1953.

2
PIRANDELLO, Luigi. A senhora Frola e o senhor Ponza, seu genro. In: PIRANDELLO, Luigi. 40 novelas. Seleção, tradução e prefácio de Maurício Santana Dias. São Paulo, Companhia das Letras, 2008, p. 139-149.

sobre o autor

José Roberto Fernandes Castilho é professor de direito urbanístico e de direito da arquitetura na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual de São Paulo – FCT Unesp.

comments

resenha dos livros

40 novelas

40 novelas

Luigi Pirandello

2008

Assim é (se lhe parece)

Assim é (se lhe parece)

Luigi Pirandello

2011

227.01 livro
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

227

227.02 livro

Uma nova iconografia da paisagem brasileira

Ilustrações preciosas revelam quadros de nossa natureza

José Tabacow

227.03 livro

Como se escreve uma dissertação

Abilio Guerra

227.04 livro

O mistério do fascínio nazista

O Terceiro Reich segundo Albert Speer

Jorge Coli

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided