Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architexts ISSN 1809-6298


abstracts

português
Ana Luiza Nobre, a partir de e-mails trocados com o Joaquim Guedes, faz uma análise de sua obra e de sua personalidade, constatando que seu maior legado é a instauração de uma incômoda, mas necessária dimensão dubitativa no meio da arquitetura brasileira


how to quote

NOBRE, Ana Luiza. A dúvida de Guedes. Arquitextos, São Paulo, ano 09, n. 099.00, Vitruvius, ago. 2008 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/09.099/115>.

“Atribuem-me coragem de dizer certas coisas. Na verdade trabalho no risco e no medo. Discordem, destruam o que eu diga, que seja o nosso método. Espero contribuir, em alguma medida, para o aprimoramento da nossa prática”. Como ocorreu outras vezes, nos últimos quatro anos, recebi inesperadamente o texto por e-mail. Mais uma vez, a mensagem vinha carregada de afeto, mas não deixava de conter uma provocação: “Engano-me, ou você escreveu mesmo que eu não me interessava pela forma? O problema é o que é a forma e como se inventa a forma”. A razão da interpelação era um texto que àquela altura me ocupava sobre a produção contemporânea de arquitetura no Brasil, em que eu atentava para uma certa dificuldade da nossa arquitetura de experimentar a crise do moderno e identificava em Joaquim Guedes uma exceção. A meu ver, isso explicava, ao menos em parte, o fato de que ele não tivesse sido confirmado, nos últimos anos, como um dos protagonistas no quadro da arquitetura no Brasil: “diante da longa celebração dos sucessos dos pioneiros da arquitetura moderna no país e de seus continuadores, Guedes continua a significar a dissonância, o incômodo, o desvio. Por isso é tão problemático definir o lugar que ele ocupa hoje. E por isso também sua arquitetura não encontra facilmente seguidores. É uma obra que vive da descarga do problema que se coloca, o qual se trata menos de resolver que de manter atual. Daí a dificuldade de compreendê-la e assimilá-la. No país de Niemeyer, segue sendo difícil encontrar lugar para uma arquitetura que manifesta tamanha desconfiança em relação à gênese da forma” (2).

Sem dúvida estava aí uma questão crucial para Guedes, conforme ele mesmo acusava em seu e-mail. O desafio estaria em definir essa concepção de forma, em seu enfrentamento conseqüente com uma noção de raiz clássica à qual bem ou mal seguimos fundamentalmente apegados. E a partir daí muitas questões haveriam de se desdobrar: que espécie de concepção de projeto liga-se a tal concepção de forma? Como se constitui em forma um procedimento analítico baseado em diagramas? Em que medida o diagrama pode garantir uma prática projetual mais “seca”, porque destituída da carga de emoção que permanece associada ao desenho? Os problemas seguiam se encadeando e se recolocando com intensidade cada vez maior, anunciando uma discussão calorosa, como não poderia deixar de ser.

Devo dizer que sempre me encantou em Guedes sua paixão ardente, e talvez doentia, pela discussão. E desconfio que esta fosse também sua maior fraqueza. Havia algo de quase inumano nesse seu relacionamento com o mundo, tão freqüentemente reduzido a mero gosto por polêmica. A mim, no entanto, essa, digamos, intransigência visceral, em todo caso temperada pela mais fina ironia, sempre pareceu acima de tudo a expressão do seu comprometimento em atacar valores cristalizados e impostos como interditos à esfera do pensamento. Guedes buscava ao mesmo tempo a liberdade e o método. Sistemático e intempestivo, vivia em estado de tensão, e não creio que suportasse isso com facilidade. “Cansei-me de ficar irritado quando aqui em São Paulo me dizem que os professores se referem nas escolas ao método de Guedes. Nego, não sei o que seja isso. Mas não adianta. Enquanto isso, também não acho confortável ser marginal ou coisas do gênero”, escreveu-me.

Relendo agora seus e-mails, vejo que quase sempre ele transpira: “Escrevo com dificuldade, de maneira intuitiva quero dizer, vou enchendo a tela sem saber como colocar as coisas em ordem, vou apenas arranjando um pouco as coisas até conseguir focá-las mais ou menos, e desisto. Me cansa tanto quanto dá prazer, escrever”. Diante da minha insistência para que ele reúna seus escritos numa coletânea, ele responde: “eu queria escrever melhor, para que as idéias ficassem mais cristalinas. Elas me parecem sempre turvas”. Noutro e-mail, que chega acompanhado de seu prefácio para um livro, ele pergunta: “consegui fazer alguma coisa útil que incita a pensar numa direção que está a exigir carinho?”

Boa parte de Guedes, afinal, era isto: um entregar-se contínuo ao “aprimoramento da nossa prática”. Por esse motivo, para além de toda a sua obra projetual, seu maior legado não poderia ser menos que a instauração de uma incômoda mas necessária dimensão dubitativa no meio da arquitetura brasileira, a demandar um rompimento com a sua acomodação, em face dos inúmeros problemas que atravessam a prática contemporânea.

notas

1
Nota do Editor – Arquitextos nº 099 é uma homenagem ao arquiteto Joaquim Manoel Guedes Sobrinho, professor aposentado da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e presidente licenciado do Instituto de Arquitetos do Brasil – IAB/SP. Guedes faleceu no dia 27 de julho de 2008, após atropelamento ocorrido na cidade de São Paulo. Os artigos do número especial são os seguintes:

NOBRE, Ana Luiza. "A dúvida de Guedes". Arquitextos n. 099. São Paulo, Portal Vitruvius, ago. 2008 <www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq099/arq099_00.asp>.

CAMARGO, Mônica Junqueira de. "Guedes: razão e paixão na arquitetura". Arquitextos n. 099.01. São Paulo, Portal Vitruvius, ago. 2008 <www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq099/arq099_01.asp>.

ANELLI, Renato. "A cidade contemporânea: uma conversa com Joaquim Guedes". Arquitextos n. 099.02. São Paulo, Portal Vitruvius, ago. 2008 <www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq099/arq099_02.asp>.

LUZ, Vera Santana. "Joaquim Guedes: à procura da justa medida". Arquitextos n. 099.03. São Paulo, Portal Vitruvius, ago. 2008 <www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq099/arq099_03.asp>.

Além destes, temos ainda os seguintes artigos disponíveis sobre Joaquim Guedes no Portal Vitruvius:

BIERRENBACH, Ana Carolina. "A Caraíba de Joaquim Guedes. A trajetória de uma cidade no sertão". Arquitextos n. 087.02. São Paulo, Portal Vitruvius, ago. 2007 <www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq087/arq087_02.asp>.

SABBAG, Haifa Yazigi. "Arquiteto Joaquim Guedes, São Paulo, Brasil". AC – Arquitetura e Crítica, n. 008. São Paulo, Portal Vitruvius, nov. 2001 <www.vitruvius.com.br/ac/ac008/ac008_1.asp>.

E do próprio arquiteto Joaquim Guedes temos o seguinte artigo:

GUEDES, Joaquim. "Monumentalidade x cotidiano: a função pública da arquitetura". Arquitextos n. 071.01. São Paulo, Portal Vitruvius, abr. 2006 <www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq071/arq071_01.asp>.

2
NOBRE, Ana Luiza. "Young practices". Texto inédito, escrito sob encomenda para o livro "Brazil's Modern Architecture", da editora Phaidon (2004), e recusado pelos editores por não oferecer um "quadro suficientemente positivo" da produção contemporânea de arquitetura no Brasil.

sobre o autor

Ana Luiza Nobre é arquiteta e professsora do Curso de Arquitetura e Urbanismo da PUC-Rio.

comments

099.00
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

099

099.01

Guedes: razão e paixão na arquitetura

Mônica Junqueira de Camargo

099.02

A cidade contemporânea: uma conversa com Joaquim Guedes

Renato Luiz Sobral Anelli

099.03

Joaquim Guedes: à procura da justa medida

Vera Luz

099.04

A cultura e o espaço urbano no Japão

Simone Loures Gonçalves Neiva and Roberto Righi

099.05

O espaço de morar revelado: a Casa vista por Cecília Meireles

Rafael Alves Pinto Junior

099.06

Indústria da construção civil e reestruturação produtiva

As novas tecnologias e seus modos de socialização construindo as cidades contemporâneas

Fábio Fernandes Villela

099.07

A cidade como obra de arte

O Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro, Rui Barbosa e John Ruskin

Cláudio Silveira Amaral

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided