Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

how to quote

MOREIRA, Rafael. O classicismo arquitetônico no Recife imperial. Resenhas Online, São Paulo, ano 01, n. 004.02, Vitruvius, abr. 2002 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/01.004/3243>.


A arquitetura civil não tem sido das áreas mais bem trabalhadas pela história da arte brasileira. Após os estudos pioneiros, nos anos 30 e 40, de Thedim Barreto, Luís Saia e Robert Smith, já era tempo de uma nova geração voltar a se ocupar do tema, agora na luz de uma problemática do nosso tempo. Só São Paulo parecia não ter esquecido a tradição, com os livros notáveis de Carlos Lemos.

Por isso, lemos com alegria o último trabalho do arquiteto Alberto Sousa. Afinal, não é uma nova, é uma novíssima geração que desponta, com uma maturidade e segurança de método e de informação que parecem tornar o laureado brazilianist Smith envelhecido de um século.

O autor se vira desta vez para “a mais classicista das grandes urbes brasileiras”: o Recife. De l830 a l870, nada menos de quatro das dez melhores obras construídas no país, nesse estilo do classicismo imperial , para usar a sua terminologia convincente, foram feitas no Recife. Não é uma opinião de gosto, mas uma constatação de fato, que comprova pelo estudo exaustivo de meia centena de exemplares (com pontos altos no Teatro Santa Isabel, Casa de Detenção, Academia Pernambucana de Letras e no caso ímpar da Assembléia Legislativa, obras-primas em qualquer lugar do mundo), que impressionam tanto pela qualidade dos espaços e volumes na definição da imagem da cidade, como pelo rigor da análise.

Alberto recua aos modelos eruditos europeus e aos primórdios em solo brasileiro (Salvador e o Rio) ; mas não para mostrar o foco recifense como continuação, e sim para fazer ressaltar sua radical originalidade e os valores geométricos de desenho, os efeitos de massa, o uso inventivo do vocabulário clássico, a adaptação ao clima, funções e ideologia da sociedade que nascia. Os nomes de Vauthier e Tibúrcio de Magalhães não podem, a partir de agora, ser nota de rodapé na historiografia brasileira.

Uma arquitetura de engenheiros, é claro – e um contributo essencial ao papel do Nordeste na arte brasileira, que não há mais desculpas para ignorar. Estão de parabéns os editores por terem posto à disposição da comunidade científica e ao leitor em geral esta obra de leitura obrigatória para quem quer saber onde vive.

[resenha publicada originalmente na Revista AU, nº 90, junho-julho 2000. Reprodução proibida]

[leia também "As duas tradições no ensino de arquitetura no Brasil", de José Lamas, sobre outro livro de Alberto Souza]

sobre o autor

Rafael Moreira é Professor Associado do Departamento de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa. Autor de vários livros, proferiu palestras em várias partes do mundo (Paris, Nova Iorque, Goa, Rio de Janeiro, etc.) e publicou artigos no seu país, na França, Itália e Espanha

comments

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided